terça-feira, 17 de agosto de 2010

Denver MetroMix Q&A com o Synyster Gates

A Denver MetroMix postou a entrevista que fez com o Synyster Gates.
Vejam a tradução da entrevista abaixo:

Vocês atingiram o No. 1 no país. Como é que isso sabe?
É óptimo. Faz definitivamente uma afirmação. Eu acho que é um álbum importante, é provavelmente o último trabalho que vamos ouvir do Jimmy. E nós adoraríamos que ele [o álbum] estivesse num lugar melhor, por causa das circunstâncias. Nunca nenhum de nós se preocupou com o sucesso, mas desta vez, eu preocupo-me. Isso ajuda a família do Rev, e deixa-nos orgulhosos. É fixe.

Com a morte do Rev, a música para este álbum mudou?
As músicas estavam completamente escritas, excepto as letras. Depois de ele morrer, nós mudamos tudo, mas duas músicas liricamente no álbum, transformámo-las de um álbum conceitual para algo que contasse algumas histórias diferentes, tudo sobre o Jimmy.

Houve alguma vez que vocês achassem que não devessem continuar como uma banda?
Sim, definitivamente, durante as primeiras duas semanas depois de ele ter morrido. Mas nós percebemos muito rápido que todos nós queríamos continuar.

Os vossos fãs "atacaram" a Los Angeles Times pela reviews que fizeram do novo álbum. Vocês preocupam-se que o que os meios de comunicação pensam?
Eu acho que de certa forma me preocupo – Eu não gosto de reviews maliciosas. Tu podes dizer que ouviu os nossos álbuns e quem não ouviu, ou apenas quem ouviu as nossas músicas que passam na rádio. Apesar de tudo, eu estou orgulhoso que a nossa base de fãs seja tão fanática.

Algumas das músicas do álbum, como “Danger Line” e “Fiction,” são muito Queen-like no que toca a serem grandes e épicas. Vocês começam a criar uma música sabendo que ela vai ser tão complexa?
As nossas músicas no álbum são muito mais as nossas demos, mas melhor gravadas. É um processo muito colaborativo, mas nós escrevemos tudo com antecedência.

O vosso novo produtor (Mike Elizandro) é melhor conhecido pelo seu trabalho com o Eminem e com a Fiona Apple. Como é que vocês o “apanharam”?
Na verdade ele é um metaleiro do coração. Ele conhece a nossa banda, e ele estava totalmente a caminhar num livro trivial quando trabalhou com os Iron Maiden, Pantera, Metallica, bandas desse género. E ele é um brilhante compositor, baixista, bom com orquestração...ele é sonoramente irreal.

O teu pai é um guitarrista (Brian Haner, que trabalhou com o Frank Zappa e como comediante Jeff Dunham)…o que é que ele acha dos Avenged Sevenfold?
Ele gosta. Ele nunca me pressionou para ser guitarrista, mas ele sempre me apoiou…mesmo quando eu estava em sarilhos. [Risos] Na verdade ele está numa música no novo álbum.

Há alguns anos atrás uma gravadora lançou um tributo só com cordas para vocês. Ouviste o tributo?
Sim. É espantoso.

Há alguma banda tributo aos Avenged Sevenfold? Eu vi uma banda completamente feminina dos Metallica chamada Misstallica…deve ser fixe.
Que eu saiba não. Mas sim, deve ser fixe houver uma completamente com raparigas maravilhosas.

Comentários
Facebook Comments by Blogger Widgets